Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Digo eu

Digo eu

a nossa fortuna

 

 

 

Lembras-te de nós? Eu sim, perfeitamente.  Como se fosse hoje e o tempo não tivesse passado. 

Tanta coisa aconteceu entretanto, mas nem por isso deixo de ter presentes todas aquelas memórias que partilhámos na nossa juventude. Foi maravilhoso e continua a ser, porque as vivemos com o maior entusiasmo. 

Assistir ao nascer do sol, que de simples não tinha nada, era dos acontecimentos mais fantásticos que vimos juntos, naquele lugar que para nós era mágico. 

Na verdade tudo o que fazíamos juntos, estava repleto duma magia contagiante. 

Éramos um bando de rapazes e raparigas sempre com um sorriso na cara. Facilmente os sorrisos transformavam-se em gargalhadas, onde os nossos corpos se deixavam cair no chão a rebolar, literalmente. Os espasmos abdominais eram saudáveis. 

O que se passava na casa de cada um e que nem sempre gostávamos, era ultrapassado só por estarmos juntos naquela aventura, onde a idade pouco importava. 

Tudo aquilo era nosso! Tão bem que soube poder ter de tudo enquanto crescíamos e aprendíamos as melhores lições de vida.  Ali fomos felizes, a partir pinhões e a come-los às mãos cheias, a andar de bicicleta ou de moto, e a tomar banho à noite na piscina. 

 Não sei se realizas que tudo já desapareceu, excepto a praia do guincho. As nossas casas já não são nossas, a nossa piscina desapareceu e o nosso clube onde ouvíamos a nossa música, deixou de existir. Pinheiros há poucos e o espaços dos acampamentos foi escandalosamente ocupado por casas de gosto duvidoso.

Tudo foi irremediavelmente alterado para pior. As nossas vidas também mudaram. Tivemos que crescer e cada um ir à sua vida. Casámos, tivemos filhos e muitos dos nossos pais já partiram. 

Mas temos as nossas lembranças de momentos cruciais e tão saudáveis.  Temos o dever de os partilhar com os nossos filhos, para que saibam como foi a nossa juventude, para eles tão distante. 

Impossível esquecer cada um de nós, impossível esquecer o que vivemos juntos e tudo o que tivemos. A fortuna éramos nós.